Um Ano na Crise

casos de sucesso

A família Rodrigues Gomes dá menos prendas, mas melhores

Cárin Alves

A minha família compreende 25 membros. Sempre faltam dois ou três, mas a Noite de Natal é certo e sabido que não fica por menos de 20 pessoas juntas para jantar e trocar prendas.

Era tradição cada um comprar uma prenda para os demais. Ora, isso eram imensas prendas... Lindíssimo ver a árvore de Natal cheia de embrulhos à volta, mas... muitas das prendas, compradas no último momento ou por falta de ideias, davam lugar a um monte de bugigangas que ninguém parecia necessitar.

Ora, conseguimos dar a volta a toda esta situação, tornando a troca de prendas mais interessante, pessoal e também mais económica. Na nossa família, adoptamos a ideia de uma prenda por pessoa. E fazemos um pequeno jogo!

No início de Dezembro colocamos os nomes de todos num saco, dobradinhos... (como vivo no estrangeiro, recebo o meu papelinho pelo correio). Cada um, incluindo as crianças, tiram um papelinho... se calhar o próprio nome, volta-se a dobrar o papelinho e tira-se outro à sorte. Ninguém comenta quem lhe calhou.

Para a Noite de Natal cada pessoa prepara a prenda, com o nome da pessoa que lhe calhou e uma rima ou pequena história para que a pessoa tente adivinhar quem lhe dá a prenda. As crianças também participam, o que significa que também elas recebem uma prenda só. Os pais naturalmente ajudam a criança a preparar a sua surpresa... e até agora temos reparado que também elas adoram o suspense e a atenção!

O facto de se ter de comprar uma prenda permite que pensemos melhor no que vamos oferecer... pensamos mais na pessoa a quem vamos dar um presente e como vamos surpreendê-la. Permite também, se cada um assim o decidir, gastar algo mais nessa prenda, porque é só uma, conseguindo assim comprar uma coisa mais jeitosa. (Esta opção é mesmo assim mais barata que comprar 20-25 prendas, ainda que a 5 euros cada.)

Há aqueles que dão mais atenção ao embrulho, à rima ou em preparar uma “partida” ao outro e isso também é engraçado... Ou seja, a Noite de Natal tornou-se num jogo, todas as prendas são pessoais e têm um significado... e não se gastam rios de dinheiro superficialmente.

O PÚBLICO perguntou aos leitores como será o seu Natal com menos dinheiro. Conte-nos também a sua história para [email protected]