• 12 de Ago de 2020
  • 10º - 13º Lisboa
Público Online Público Online copenhaga homepage

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

China rejeita acusações britânicas de que fez gorar as negociações de Copenhaga

PÚBLICO, 22 de Dezembro de 2009

A cimeira acabou sem nenhuma promessa vinculativa para diminuir significativamente as emissões de gases de efeito de estufa
Envie a um amigo Imprimir Diminuir tamanho do texto Aumentar tamanho do texto
Bookmark and Share
Jornalistas acompanham o discurso do Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, esta manhã na conferência de Copenhaga. Os líderes mundiais tentam romper o impasse, a escassas horas do encerramento do encontro. Foto: Ints Kalnins/Reuters

Vários países já disseram o que estão dispostos a fazer para combater as alterações climáticas
Publicidade textual

 

A China rejeitou hoje veementemente, e com palavras duras, as acusações que lhe foram feitas pelo ministro britânico do Ambiente, Ed Miliband, o qual atribuiu ao regime de Pequim directas responsabilidades e a intenção de fazer falhar as negociações da mega cimeira do clima de Copenhaga, realizada sob a égide das Nações Unidas. No contra-ataque, o Governo chinês, fala em tentativas de dividir para reinar.

Sem mencionar expressamente o nome de Miliband, a porta-voz do ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Jiang Yu, deixou bem patente a ira de Pequim: “As declarações feitas por alguns políticos britânicos não passam de uma trama política. O objectivo é diminuir as responsabilidades que devem ser assumidas em relação aos países em desenvolvimento e provocar a discórdia entre estas nações. Esta táctica não levará a nada”, avaliou num comunicado divulgado pela agência noticiosas chinesa Xinhua.

Miliband apontara à China a responsabilidade pelo colapso das negociações de Copenhaga – que ficou muito aquém do que era tido em expectativa, fechando, já na madrugada de sábado, sem que os 192 países ali representados firmassem um compromisso claro, e menos ainda vinculativo, sobre as mudanças climáticas.

Antes, a pouco mais abriram mão do que a “a levar em conta” um acordo onde é reconhecida a necessidade de limitar as subidas de temperatura: nada de vinculativo, e nenhuma promessa vinculativa no que toca a diminuir significativamente as emissões de gases de efeito de estufa. Sem palavras meias, Miliband acusou expressamente a China de ter “vetado” a proposta que visava o corte das emissões em 50 por cento até 20250.

“Não podemos voltar a permitir que negociações sobre questões de substância real sejam sequestradas”, afirmou então o ministro britânico.

Na resposta, a China instou hoje Miliband e os demais responsáveis por aquele artigo a “corrigirem os seus erros, a cumprirem as suas obrigações com os países em desenvolvimento de forma honesta e a absterem-se de actividades que põem em risco a cooperação internacional no combate às mudanças climáticas”.

Na véspera, o ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, Yang Jiechi, dera já uma achega, elogiando o que foi obtido em Copenhaga e avaliando-o “não como um destino mas um novo arranque”.




Limite de 1200 caracteres

Anónimo

Botão enviar comentário
Os comentários deste site são publicados sem edição prévia, pelo que pedimos que respeite os nossos Critérios de Publicação. O seu IP não será divulgado, mas ficará registado na nossa base de dados. Quaisquer comentários inadequados deverão ser reportados utilizando o botão “Denunciar este comentário” próximo da cada um. Por favor, não submeta o seu comentário mais de uma vez.

 

MAIS NOTÍCIAS